29/04/2008

Sarcasmo-Fu

Enquanto Chineses, Japoneses e tantos outros desenvolveram artes marciais fantásticas para auto-defesa, eu aprendi o sarcasmo. Na verdade, o humor de maneira geral, mas sou sarcástico na maioria das vezes. Raramente cínico, e sempre – SEMPRE – debochado. É o mecanismo de auto-defesa mais ineficiente que já vi, diga-se de passagem, mas é o único que sei usar.

Aliás, pensando bem, é extremamente burro. Porque na verdade ele nem me protege, só me engana. Fico com uma falsa sensação de segurança. Elimina o desconforto (viva a terapia! \o/ ), mas não sua causa – o que leva a uma inevitável auto-destruição. Em outras palavras: você se sente bem, mas não está realmente bem. E conhece a teoria do caos? Então, o menor evento pode desencadear o desconforto novamente. E em geral ele vem pior do que antes, porque ficou tudo mais complicado. Isso porque ao usar o sarcasmo é impossível não cometer alguns erros básicos. Vou listar três:

1. Abrir a boca;
2. Falar alguma coisa;
3. Essa “alguma coisa” ser completamente ambígua.

A ambigüidade, como poder-se-ia prever, gera mais confusão e assim mais desconforto. É uma bola de neve. Odeio clichês, mas nesse caso não me veio nada melhor para exemplificar essa situação então não enche o saco. Algumas pessoas me acham engraçado. Outras, inconveniente. A maioria das pessoas acham que sou ambos. Inconveniente, mas engraçado também. Mas principalmente inconveniente. ¬¬

Eu acho que as pessoas sentem-se assim porque ficam sem saber quando estou sendo sarcástico e tirando sarro delas e quando estou sendo grosso falando sério (viva a auto-ilusão!). Ou seja, se em determinado momento de uma conversa comigo você se sentir na dúvida, provavelmente estou tirando sarro da sua cara. Sério. Ou não.

O que fazer então? Bom, não faço idéia... aliás, foi isso que me colocou na terapia. E até da terapeuta eu tiro sarro. Mas aceito sugestões.

Ah, saco... em geral, a vida fica bem mais divertida dando risada, oras!!

10 comentários:

bjomeliga disse...

Sério que vc faz terapia? Eu fiz uma vez, mas como eu sou uma pessoa sem sorte, na quinta sessão a terapeuta era a paciente e e era a terapeuta. Desisti, lógico. Nhé! O.o

Wendell Penedo disse...

eu também me enganava, pensava "sou sarcástico". Quando fui me dar conta, vi que eu sou um chato filho da puta e que ninguém acha graça das minhas alfinetadas, mas não abro mão delas por nada.

Andreia disse...

rsr é verdade, vale aquele famoso ditado...Rir pra não chorar....
Já imaginou a vida sem o riso?? eu heim CREDO!!!!


Beijão Rô!

Dany Darko disse...

Tu tens razao, é otimo se esconder atras do sarcasmo, facilita a vida, nos traz comodidade, nao é? O problema é que nem sempre o interlocutor entende isso. E aih, quando tu estas do outro lado da linha vermelha é que tu entendes o quao desagradavel o sarcasmo pode ser.

Mas eu gosto de ti, tah Rozinho? :)

Bruno disse...

Eu já fui bem mais sem noção com minhas piadas, agora eu pego mais leve.

NOOOOT!!!

Mas falando sério, eu era meio sem noção mesmo, agora eu penso um pouquinho antes de falar.

Mas minha namorada continua sem entender minhas piadas, então eu não brinco com ela.

rancorizando disse...

Pelo jeito a terapia está tendo resultados... vc fez uma análise do caralho de uma das suas (principais?) características. E entender seus pq's é um ótimo caminho, mesmo que vc não mude. Aliás, quase nunca se precisa mudar, é só entender.

Daniela Vitrolinha disse...

Bom pelo menos tu é doido assumido né? kkkkkkk
Cara tu não existe viu,
bom feriadinho .

beijo.

Ócio disse...

Por nada...vou visitá-lo de vez em quando viu moço?
Ou seria Mogro? =))
amplexos^^

Ócio disse...

ah, antes que eu me esqueça...
O seu humor me lembra o André Dahmer e suas tirinhas malvadas...ops, tirinha dos malvados.
=))
Boa semana pra vc!
ATé mais ler!

andiroba2002 disse...

Experimente tirar sarro de si mesmo. É o maior barato.