10/03/2009

A odisséia de Nina

Uns 5 meses atrás a gente adotou uma gata de pêlo azul (ela na verdade é cinza, mas o povo que gosta de gato é daltônico e chama isso de azul. Como todo médico recomenda não contrariar louco, vou deixar “azul”mesmo). Coisamarlinda, ela é toda esguia e é nacionalista, tem os olhos verdes e amarelos. Mas – e a gente tinha sido avisado disso – ela foi muito judiada, o que a deixou traumatizada e medrosa. A chamavam de “Menina”, mas como somos preguiçosos e achamos comprido demais, encurtamos para Nina.

Se fosse filhote seria mais fácil desfazer esse trauma, mas como ela tem qualquer coisa entre 1 e 15 anos (o site dizia 1 ano, mas quando vimos ao vivo os “gatinhos” para adoção – que no site eram fotos de filhotinhos de 3 ou 4 meses e na verdade já eram IMENSOS, com idade para tirar carteira de motorista – percebemos que não dava para confiar muito no site), o processo é mais complicado.


Traumatizada, Nina só ficava muito sozinha. Até jogava
basquete sozinha... só 21 parado, uma lástima!


Levamos para casa e não a vimos mais por um mês e meio, praticamente. Se escondeu embaixo da cama do quarto de visitas e de lá não saía – nem suborno com comida funcionou. Aliás, suspeitamos que ela comeu a raçãozinha que deixamos para ela nesse período, mas só porque ela não morreu de inanição e o outro gato continua vivo, sem nenhum membro faltando. SE e COMO ela foi ao banheiro não fazemos idéia. Eu particularmente suspeito que ela TRANSPIRA tudo. *nota: ok, fui avisado que gatos não suam e portanto revisei minha teoria – agora acredito que ela possui um sistema de combustão interna extremamente eficiente que não deixa resíduos. Já patenteei a gata e contatei a Toyota e a Honda para investigarem isso. Energia limpa é a onda do momento, vou ficar milionário.


...se isolava e vivia na internet, entrando em salas de chat do UOL
com
o nick "gatinha negra 22" e lendo scrap no orkut. Obviamente
isso não é saudável!

Por volta desse mês e meio, no entanto, ela conseguiu alguns avanços com a gata. Enfiando a mão embaixo da cama, conseguiu ENCOSTAR NA GATA. E pouco à pouco o encostar transformou-se em “fazer carinho”, e Nina gostou. E então vimos que de vez em quando ela estava EM CIMA da cama, um avanço incrível (claro que era só fazermos menção de entrar no quarto para ela sumir para o calabouço dela novamente...).

E agora... agora essa gata está muito abusada. Ela já anda pelo apartamento inteiro sem cerimônia com a gente em casa. Ela pede carinho, esfregando a cabeça em nossos pés (sim, no pé. De mão ela ainda tem medo). Ela fica toda curiosa quando estamos comendo ou jogando Wii, e enfia o focinho em nossos pratos na maior cara de pau. Ela segue a gente até a área, porque sabe que vamos colocar comida. E enquanto colocamos, ela MIA e reclama que está demorando (ou será que agradece? Nah, ela é um gato: certamente está reclamando).



Agora essa abusada até já dorme com a gente e se enrola no edredon!

Não sei nem começar a definir a alegria que dá ver essa mudança. Toda vez que alguém adota um bicho de estimação está salvando sua vida, fato. Mas no caso dela, além de salvar a vida ela mudou de um bichinho triste (porque vamcombiná que não dá para ser feliz passando 24 horas encolhido no escuro embaixo de uma cama) e medroso para um bichinho feliz, e isso é muito da hora.


E dorme com o Pingüim, corre pela casa, brinca e se dão porrada! Ou seja: igualzinho qualquer irmão e irmã!

É isso aí, pessoas. Adotem um bichinho, salvem uma vida e sejam felizes.
.

9 comentários:

Dany Darko disse...

Oin, ti bonitinho esse post! Adorei!

disse...

Ah, que lindo!!
Que bom que ela se recuperou dos maus-tratos!!
Adotar é tudo de bom! ;)
Parabéns pelo gesto!

Sabrina Mix disse...

Que linda história!

Uma vez deixei meu gato com uma amiga e ele agiu exatamente igual à Nina no começo. Nada de comer nem beber água. E só saía debaixo da cama dela quando eu chegava por lá. Ela disse que dava até raiva. hehehe...

Gatos são lindos!

Beijos e sucesso!!!

lioness disse...

Que beleza poder cuidar bem de um animal tão jeitoso. Apesar de não ser muito ã de gatos, amo outros felinos, e Nina é realmente adorável.

Monicake disse...

Óun, que lindo, Rô. Você esqueceu de falar da fixação dela pela minha lixa de unha hehehe Dá orgulho termos adotado essa medrosinha. :)
bjos!

bjomeliga disse...

A punky era assim no começo, bem medrosa. Mas aí, com jeito e tudo o mais, vc já sabe no que ela se transformou.

Lara disse...

óooooooooooooooun que lindaaa! Adorei a Nina! Que bom q agora ela tem carinho e atenção.
Ps.: Fazia tempo q eu não vinha aqui, ne?
Junda!

A Truculenta disse...

òooooooun! Amei o texto Rô. É mto bom ver a capacidade deles voltarem a se relacionar com humanos mesmo depois de terem sido tão maltratados.
bjones

Ventania disse...

nossa, tudo rosa por aqui... adorei! ti lindo ela! :)))))
nem imagina como essa mocinha vai te agradecer. Quando estou em casa, o meu bichano belluno dedica todo o seu dia a ficar do meu lado... muito romântico. Depois me conta. Beijo.